Escolher morrer.

viver depois de ti

Quem me conhece sabe que não sou propriamente uma amante de cinema. Acho sempre que os livros são melhores que os filmes. Mas às vezes lá vejo um ou outro.

Há uns tempos acabei por ver um. Pouco tempo depois revi-o.

O filme chama-se “Viver depois de ti” e é fenomenal. Envolvi-me tanto na história que chorei.  Emocionei-me de tal maneira que o nó na garganta só passou horas depois.

O filme conta a história de Will Traynor, um jovem super ativo, amante de desportos radiciais, que acaba por ter um acidente muito grave e que se vê preso a uma cadeira de rodas. [Sem qualquer hipótese de recuperação]

Uma vez que ele apenas mexe a cabeça e alguns dedos da mão, a família decide contratar alguém que lhe possa fazer companhia e o ajude nas necessidades básicas. A escolhida é Louisa Clark.

Louisa acaba de ficar desempregada e aceita o desafio… e que desafio! O jovem é arrogante, autoritário e maltrata a cuidadora em boa parte do filme. Louisa tenta aguentar já que precisa muito de trabalhar.

Depois de muita insistência por parte dela, Will rende-se e os dois desenvolvem uma amizade inspiradora que depressa passa a uma linda história de amor.

As dores de Will Traynor tornam-se cada dia mais insuportáveis. O plano dele é morrer. Quando Louisa percebe isso luta para lhe mostrar que ainda assim vale a pena viver. Mesmo assim ninguém o demove.

Apesar do país onde vive não o permitir, Will viaja para o estrangeiro e acaba por conseguir o que mais quer: a Eutanásia. Morre “feliz” ao lado dos pais e de Louisa.

Este filme obriga-nos a reflectir sobre questões muito sérias.

Nunca passei por uma situação-limite e não consigo dizer se sou contra ou a favor da Eutanásia mas até que ponto uma pessoa pode ser obrigada a viver agarrada a uma cadeira de rodas, totalmente dependente dos outros, e dominada pela dor?

Will vive dependente, desesperado de dor. Mesmo assim, apesar de ficção, nesta situação, eu não queria que ele morresse. Estarei a ser egoísta? Não sei. Talvez a maturidade e a experiência de vida me tragam respostas.

Sinto que a Eutanásia pode ser um erro incorregível, num mundo que tem tanta sede de conhecimento e que descobre coisas novas todos os dias. A cura pode não demorar a ser encontrada e isso corrói-me.

Só sei que a minha fé me faz acreditar que a esperança é a última a morrer. Mesmo assim não consigo ter uma opinião formada sobre este assunto pois é “uma faca de dois gumes”. Sou só eu?

Qual é a vossa opinião?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s